28 de novembro de 2014

Onde deixar o bebé - Creche ou avós?

As dúvidas começam a surgir quanto a uma série de questões, esta é uma delas... Onde deixar o bebé depois de terminar a licença de maternidade? Na creche? Com os avós?

Compreendo a importância da socialização, no entanto esta não me parece relevante nos primeiros dois anos de vida... O importante é estimulá-los, tanto ou mais do que seriam na creche.
Deixo aqui um artigo da revista Pais & Filhos que parece corroborar a minha ideia!


"Basta investir em tempo e muita brincadeira. “A disponibilidade e a interação afetuosa dos pais e cuidadores, bem como os seus estímulos positivos, são essenciais para promover as competências da criança. É através destes estímulos e jogos, que devem acontecer de forma natural, que o desenvolvimento prossegue.”

Em casa, é importante investir na interação com o bebé desde cedo: “O cuidador deve ter a preocupação de conversar com o bebé, incentivá-lo a mexer-se (por exemplo colocando-o numa manta no chão), evitar que esteja sempre sentando numa cadeirinha e jamais em frente à televisão”, aconselha Cecília Galvão. Fátima Bessa lembra que a interação é a “forma mais perfeita de comunicar e brincar” e começa desde os primeiros instantes de vida: “A face da mãe exerce um fascínio especial no bebé, que fixa interessadamente os olhos, o pestanejar e os movimentos dos lábios da mãe e é até capaz de imitar as suas caretas.”

Nos primeiros meses de vida, deve também haver a preocupação de não estimular excessivamente o bebé. Bastam simples brinquedos, como o mobile, a caixa de música ou a roca para que ele vá descobrindo o próprio corpo e o que o rodeia. À medida que os seus movimentos começam a ser mais amplos e controlados, o chão passa a ser “um ótimo sítio para a criança estar: colocada sobre uma manta terá uma maior liberdade de movimentos, poderá explorar e descobrir”.
Nesta fase, sublinha a pediatra, é importante dar-lhe alguns brinquedos, “variados, mas não muitos ao mesmo tempo”, para que possa explorá-los, “levando-os à boca”. A partir do momento em que consegue sentar-se, a sua “relação com os brinquedos e com o mundo que a rodeia muda” e passa a estar “cada vez mais interessada em tudo à sua volta, não só o que está ao seu alcance, como também pelos brinquedos colocados longe, que lhe servem de estímulo para gatinhar”. Por volta dos nove/dez meses, chega a fase das “gracinhas” (bater palminhas, fazer adeus…), que devem ser incentivadas pelo cuidador, já que são importantes para o seu desenvolvimento. O mesmo acontece com jogos como o “cucu”: “A criança diverte-se e percebe que o adulto volta a aparecer”, o que facilita a separação e promove “a aquisição de novas habilidades”.

Cecília Galvão lembra que, em casa, a criança “deve ter espaço para se deslocar sem riscos e que é preciso criar rotinas de sono (as crianças precisam de dormir para se desenvolverem de forma saudável), e permitir que a criança adquira prazer na alimentação, experimentando novos sabores a pouco e pouco e deixando-a manipular a comida”. São estes “pormenores” que promovem o saudável desenvolvimento do bebé, sempre com base na interação com o cuidador.

E nem é preciso gastar dinheiro em brinquedos muito sofisticados: “Basta um tupperware, uma colher de pau e meia dúzia de massas para termos uma criança muito contente e entretida…”. Por outro lado, acrescenta a psicóloga do Hospital Dona Estefânia, é importante dar-lhe a oportunidade de experimentar, para que possa aumentar o conhecimento sobre si própria e sobre o mundo que a rodeia: “Dar-lhe tintas para pintar com as mãos, lápis de cera grossos, papel grande, etc.”. E ler-lhe muitas histórias, que a vão ajudar “na aquisição da linguagem e, mais tarde, na compreensão da escrita”. A música também tem uma função primordial no desenvolvimento de competências e “não é preciso ser só música para bebés”, lembra Cecília Galvão.

Por tudo isto, sublinha a pediatra Fátima Bessa, a brincadeira e os jogos não podem ser encarados como forma de passar o tempo, mas sim com algo muito sério que permite à criança um bom crescimento físico, intelectual, emocional e social. “Brincar tem a dupla função de, por um lado, criar excelentes oportunidades de estimular o raciocínio e, por outro lado, disponibilizar as regras necessárias à convivência e vida em sociedade”. E remata: “Ninguém conhece verdadeiramente uma criança se não conhecer e perceber a maneira com ela brinca.”

in http://www.paisefilhos.pt/index.php/destaque/7499

14 de novembro de 2014

16ª Mostra Internacional de Doces e Licores Conventuais - Alcobaça



A Cidade do Rio Alcoa e do Rio Baça volta a mostrar este fim-de-semana iguarias doces de todo país.
Esta mostra realiza-se no Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, dando oportunidade aos gulosos não só de provar os doces como também de visitar e conhecer o mosteiro. Este Mosteiro albergou a Ordem de Cister por 700 anos até 1833, altura em que os monges abandonaram o mosteiro.




Preço: 1€ Entrada (não inclui doces…)

13 de novembro de 2014

Receção ao Caloiro Leiria 2014



Já está disponível o cartaz da Receção ao Caloiro de Leiria 2014, a realizar entre 17 e 22/Nov, com preços entre os 6€ e os 13€. Os cabeças de cartaz são Primitive Reason, Jimmy P+Valete, Amor Electro, Master Jake e D.A.M.A.. Além de bandas como Les Crazy Coconuts, Beatbombers (Dj Ride+Stereossauro), Meninos da Vadiagem.

Cartaz e Preços
17/11/2014  - Tunas / Noite Beat Club
_Estudante: 6€
_Não estudante: 8€
18/11/2014  - Primitive Reason / Sangue Lusitano / Phill Kay
_Estudante: 10€
_Não estudante: 12€
19/11/2014  - Master Jake / Hi-Fi / Hit Jajao
_Estudante: 8€
_Não estudante: 10€
20/11/2014  - D.A.M.A / Meninos da Vadiagem / Les Crazy Coconuts
_Estudante: 10€
_Não estudante: 12€
21/11/2014  - Jimmy P & Valete / Beatbombers (Dj Ride+Stereossauro) / XL Zona Centro
_Estudante: 11€
_Não estudante: 13€
22/11/2014 - Amor Electro / Nuno Fernandes / Metidos a Soro
_Estudante: 11€
_Não estudante: 13€


12 de novembro de 2014

Feira do Cavalo da Golegã - 2014


Está a decorrer de 7 a 16 de Novembro a 39ª Feira Nacional do Cavalo na Golegã. Devo confessar que foi a primeira vez que fui a esta feira e fiquei maravilhada! Tantas coisas a acontecer, tanta animação, diversão... Tanta história que nos rodeia... Parece que estamos no meio de um filme de época! simplesmente genial!!  E para quem tem a paixão dos cavalos, deve ser uma festa com mais significado ainda.




Onde dormir? Além de alojamento na Golegã também se poderá ficar nos arredores, uma vez que existem hotéis nas proximidades (Alcanena, Fátima, …)
HOTEL LUSITANO
PÁTIO DAS VENDAS
QUARTOS DO LAGAR
SPORTHOTEL
QUINTA DOS ÁLAMOS
LUSITANUS S.A

EUROSOL ALCANENA


Onde comer? Existem barracas ou restaurantes ao longo de todo o espaço da feira, de vários tipos, há que experimentar! Além das castanhas (que deixam uma nuvem no ar de mistério épico!), pipocas, farturas, arrufadas, bebidas quentes (a lembrar os mercados de Natal dos países do norte)... A dificuldade é escolher!

Mais informações no site oficial da Feira da Golegã.

11 de novembro de 2014

Consultas, análises e ecografias na gravidez...

Esta é uma altura de muitas incertezas e dúvidas, medos e alertas constantes. Mas quais os passos a seguir depois de uma gravidez confirmada? E antes? Bem, aqui ficam os passos para uma gravidez sem complicações!                             
Nota - as datas apresentadas são datas depois da última menstruação


Antes de tentar engravidar - devem ser feitas análises e exames para certificar que estamos bem de saúde. Deve iniciar-se a toma do ácido fólico (pelo menos 3 meses antes).

4 a 6 semanas - é possível obter um positivo com um teste de farmácia (à urina) ou com uma análise à hormona GCH (ao sangue). Existem alguns teste à urina que já apresentam as semanas de gravidez, mas o mais fiável é sempre uma ecografia, por volta das 12 semanas.

8 às 10 semanas - deve realizar-se a primeira consulta de acompanhamento ( no ginecologista privado ou no centro de saúde). É preenchido o livro da gravidez, onde a partir de agora constarão todas as informações acerca da grávida, do bebé e da data para o parto. É medida a tensão arterial, peso, serão pedidas as análises do 1ª trimestre (Sífilis, Rubéola, Toxoplasmose, HIV, hepatite B, fator Rhesus, diabetes). Nesta consulta serão receitadas vitaminas que serão tomadas durante toda a gravidez.

10 às 12 semanas - realiza-se a 1ª Ecografia que permite obter informações acerca do bebé: posição do saco amniótico, número de bebés, atividade do coração, tamanho do bebé, data prevista para o parto e translucência nucal.

11 às 13 semanas - consulta de rotina onde se analisam os resultados das análises e da ecografia e se acompanha a tensão arterial e o peso.

15 à 16 semana - teste de amniocentese para despiste de algumas doenças (especialmente para mães depois dos 35 anos ou com anormalidades genéticas na família)

16 às 18 semanas - consulta de acompanhamento do peso  e da tensão, caso o GO tenha equipamento de ecográfica é possível acompanhar o desenvolvimento do feto. Poderá ser recomendado o uso de cinta ou faixa para aliviar o peso da barriga. É dada a ordem para fazer a ecografia do 2º trimestre e as segundas análises.

19 às 22 semanas - realiza-se a ecografia morfológica com medições da cabeça, abdómen e fémur, posição do útero e quantidade de líquido amniótico, e excluir malformações Já é possível indicar qual o sexo do bebé.

20 às 22 semanas - consulta para avaliação da ecografia e das análises ao sangue e à urina. Controlo do peso e da tensão.

24 à 25 semana - realiza-se a análise à Glicémia com a prova de tolerância à glicose (análise feita em jejum com a toma de 75 gr de açúcar e recolha de sangue ao fim de 1 e 2 horas)

24 às 26 semanas - consulta de acompanhamento do peso  e da tensão, caso o GO tenha equipamento de ecografia é possível acompanhar o desenvolvimento do feto.

26 às 30 semanas - pode realizar-se uma ecografia 3D ou 4 D para conhecer as feições do bebé.

28 semanas - devem iniciar-se as aulas de preparação para o parto.

29 às 32 semanas - realiza-se a 3ª ecografia com as mesmas medições feitas na segunda ecografia além do controlo do crescimento do bebé. É também verificada a posição em que se encontra, para saber se poderá ser um parto normal ou não.

30 semanas - deve realizar-se a visita ao hospital onde terá lugar o parto e onde será dada a lista para a maternidade.

28 às 32 semanas - consulta para avaliação da ecografia, do peso e da tensão.

35 às 37 semanas - rastreio do Streptococcus β (análise feita através de colheita vaginal e retal para cultura e análise com cotonete)

32 às 36 semanas - consulta de acompanhamento do peso e da tensão, da posição do feto.

38 às 40 semanas -  últimas consultas que poderão ser semanais ou de 2 em 2semanas para acompanhamento do peso e da tensão, da posição do feto, contrações, perdas de liquido amniótico.



9 meses, 3 trimestres, 40 semanas ou 280 dias...



Existe um site que disponibiliza videos de todas as fases da gravidez, para percebermos melhor o que se passa dentro de nós... Vejam mais em "Vida no Ventre" um documentário da National Geographic.